Todos nós encontramos fotos antigas de ciclismo. É verdade, os tempos mudaram, mesmo na última década. Somos invadidos por uma onda de nostalgia, com as cores distintas e os grafismos extravagantes que desencadeiam memórias e emoções de quando os tempos eram diferentes. Os designs que marcaram a história do ciclismo não refletiram apenas a sua época, eles acabaram também por nos definir, e vice-versa. Isso é o que nos fez pensar na SwiftCarbon, “uau, os designers de bicicletas realmente têm um impacto significativo sobre as nossas emoções...”

O debate está aberto sobre a interdependência da influência externa e inspiração interna, mas, entretanto, decidimos questionar a nossa equipa de design de onde e como surge a sua inspiração ao imaginar algumas das bicicletas da nossa gama 2021. Não podemos prometer que nossas bicicletas aparecerão nos feeds das redes sociais nos próximos anos, ou mesmo onde ou como aparecerão, mas, apenas por curiosidade, resolvemos tentar entrar na mente da pessoa que fica todo o dia sentada na nossa sede, a sonhar e a projetar as nossas bicicletas.

Hoje em dia, olhando para as bicicletas, vemos que há uma mudança distinta do design agressivo, arrojado e em itálico para um design de cor única, mais suave. Menos é mais. No entanto, com o minimalismo vem uma pressão adicional - todo o foco está nos restantes aspetos da bike. Ou seja, isso mostra tudo sobre a seleção de cores - um ponto essencial, sobre o qual nosso designer está perfeitamente ciente.

“Atualmente, as tendências de cores nas bicicletas parecem ter uma nova abordagem de uma cor tradicional, como o vermelho Hypervox, agora mais radiante, que realmente se destaca. Gosto muito desta cor e faz-me lembrar as adegas - um vinho tinto clássico (a nossa sede é no Porto, por isso também me traz à memória o vinho do Porto). Em certas condições de luz parece uma cor atenuada, mas à luz do sol irradia mesmo um acabamento metálico. É uma cor que me recorda que andar numa bicicleta rápida não precisa de ser necessariamente numa corrida. Esta cor fala sobre estilo de vida, experiência, viagens...

“Uma bicicleta cinzenta é obrigatória para qualquer coleção e a Ultravox é um cinza fosco, com branco. Quando mostrei pela primeira vez a cor a um dos nossos colegas de marketing, ele sorriu - sabia exatamente por que eu escolhi esta cor. Estamos bem perto do mar e associo este cinza aos navios que cruzam o horizonte, a superfície metálica dos navios. É um novo tipo de cinza com algum caráter. Creio que o branco ajuda o visual em geral a destacar-se. Teria sido muito "militar" se fizéssemos os detalhes e logotipos em preto.

“Pintamos um dos modelos da Hypervox em cinza giz e azul-marinho metálico. Sendo eu um fã de carros, o apelo está ligado às tendências de carros de desempenho - sim, cinza, o que chamamos de 'cor comercial' (uma cor fácil de vender), tal como Ultravox Disc em cinza-escuro brilhante e cinza-claro. Mas este é um cinza especial, que me faz lembrar um bom café com leite depois de uma corrida. Gosto que ainda haja uma história para um "requisito comercial". Mas a verdadeira beleza da cor do quadro é algo que tu não podes ver facilmente nas fotos - os detalhes metálicos em azul e os logotipos em azul-marinho metálico são como o céu antes do amanhecer. É uma combinação excelente à luz do sol e é uma combinação incomum.

“A Attack G2 vem em preto sobre preto - logotipos brilhantes em um fundo mate. Temos sempre que disponibilizar a opção de uma bicicleta preta na gama. Os nossos clientes exigem isso. Gosto de imaginar que isso dá ao ciclista a oportunidade de fazer a sua roupa brilhar, realçando o seu equipamento. A bike não está a pedir atenção - tudo gira à volta do ciclista e também devemos ter a oportunidade de desfrutar das belas paisagens e de tudo o que nos rodeia.

“A Racevox foi produzida num ciano azul-brilhante. Se voltarmos aos primeiros anos de existência da SwiftCarbon, esta cor aparece com frequência e acabou por se tornar na nossa imagem de marca. Tenho que admitir que a evolução da cor sólida "clássica" de 2014 foi um acidente feliz. Queríamos recriar um look retrospetivo e ao testá-lo na cabine de pintura da nossa fábrica cometemos um pequeno erro na mistura das tintas. O Diretor de Produção pediu imensas desculpas pelo sucedido, mas a verdade é que o resultado final foi realmente ótimo. Na verdade, esta situação caricata inspirou-me para me esforçar mais e a fazer mais experiências com tintas – desde ser radical até aquele ponto que sei que nunca vai funcionar. De vez em quando, há um gatilho, uma oportunidade. É ótimo sair da nossa zona de conforto para fazer renascer algo e dar-lhe uma nova vida. O ciano, agora, parece óbvio e a diferença é subtil, mas, no processo, precisamos radicalizar para chegar onde queremos. Está na identidade da marca, é elegante e ainda assim desportivo.”